NYX deixa o Brasil após resultados decepcionantes, reporta Flavio Maluf

Marca de maquiagem decide fechar lojas no país após cerca de dois anos de operações.

No final de março, a marca de maquiagem norte-americana NYX tornou público que irá encerrar suas atividades nas três lojas que possui no país, duas delas no Rio de Janeiro e uma em São Paulo, informa o empresário Flavio Maluf. A NYX estava no país há menos de dois anos, e até o fechamento das lojas, no final de abril, os produtos que ainda restam nos estoques estarão com 50% de desconto.

Desde 2014, quando foi vendida por meio bilhão de dólares, a NYX é uma subsidiária da gigante francesa L’Oreal, e pode ser encontrada em cerca de 70 países. Com essa decisão de encerrar as atividades em solo brasileiro, a L’Oréal destacou que a partir de agora irá dedicar os seus esforços Maybelline NY, outra marca importante do conglomerado francês.

Quando chegou ao Brasil, em 2017, os diretores da NYX estavam otimistas de que a marca, conhecida por vender itens de boa qualidade por preços inferiores ao das marcas “premium”, seria um grande sucesso no país. Na época, os números do setor pareciam bastante promissores, tendo em vista que a venda de produtos de maquiagem teve um faturamento superior a US$ 8 bilhões no ano de 2017, de acordo cim dados da consultoria Euromonitor.

Antes de ter suas lojas físicas no país, a NYX já podia ser encontrada no Brasil em modelo de franquia, e contava com quiosques em shoppings de vários estados. Após assumir o controle da marca, a L’oreal tomou a decisão de relançar a NYX no país, começando pela inauguração de três lojas conceito nas duas cidades mais importantes do Brasil. Na época do lançamento, a marca chegou a prometer que seus produtos também seriam vendidos pela internet, mas isso nunca chegou a acontecer, noticia Flavio Maluf.

O tempo de vida da NYX no Brasil foi tão curto, em grande parte devido ao perfil do consumo de maquiagem das brasileiras, que geralmente optam por marcas com preços menores. Nos últimos meses, outras marcas estrangeiras, cujo foco é mais para o mercado de luxo, também encerraram suas operações no país, como a Lanvin, especializada em roupas, a Kate Spade, de acessórios, bolsas e roupas, e a Versace, de roupas, sapatos e perfumes.

Essa desaceleração do mercado de marcas de luxo no Brasil é uma exceção, quando comparada ao restante do mundo, informa Flavio Maluf. De acordo com um relatório da Bain & Company, em 2018 esse segmento cresceu cerca de 5%, e faturou mais de € 1 trilhão.

No segmento específico dos produtos de maquiagem, a marca britânica Lush, dedicada à venda de cosméticos naturais, é outro exemplo que deixou o Brasil recentemente.

Ao anunciar o fechamento de suas lojas no Brasil, a Lush culpou a elevada carga de tributos do país, e também a crescente instabilidade política. Porém, segundo os analistas, o verdade é que essa preferência das brasileiras por produtos mais acessíveis tem feito com que até mesmo a Sephora, rede multinacional com foco em produtos de luxo, repense a sua estratégia e aposte na venda de marcas com preços mais baixos, como a Natura e a própria Maybelline, noticia Flavio Maluf.