Amazon sobe para 1ª posição no ranking BrandZ das marcas mais valiosas do mundo

A Kantar, juntamente com a empresa WPP, divulgou no dia 11 de junho de 2019 que a Amazon ultrapassou a Apple e o Google, seus maiores concorrentes, e se tornou a marca mais valiosa em todo o mundo. As notícias divulgadas sobre a Amazon fazem parte dos dados coletados anualmente para fins de pesquisa entre empresas de todo o mundo.

De acordo com os dados divulgados, a empresa de comércio online apresentou crescimento consistente nos últimos cinco anos. De 2014 até 2019, a empresa conseguiu quintuplicar o seu valor de mercado. Comparado ao ano passado, o valor de mercado da Amazon subiu 52% neste ano. Atualmente a empresa vale cerca de R$ 315 bilhões.

Os dados divulgados são do ranking BrandZ, que é feito anualmente através da parceria entre a Kantar e a WPP. Ambas as empresas são da área de marketing e publicidade, e tem como objetivo listar as marcas mais valiosas no mundo através da parceria. O ranking conta com um total de 100 marcas, onde elas aparecem em ordem decrescente da empresa mais valiosa do mundo para a menos valiosa entre as 100 marcas.

Os números atuais mostraram que a Amazon avançou duas posições no ranking BrandZ quando comparado ao ano passado. Em 2018, a Amazon ocupa o 3º lugar como a marca mais valiosa do mundo, atrás do Google que ocupa a 1ª posição e da Apple que ocupa o 2º lugar no ranking. Com o avanço da Amazon, o Google foi para a 3ª posição, enquanto que a Apple se manteve no mesmo lugar no ranking 2019.

Além do comércio eletrônico, a Amazon tem investido bastante nos últimos anos em diversas tecnologias como computação em nuvem, produções de filmes e até mesmo produtos com tecnologia doméstica. Outra grande mudança na empresa foi a ampliação para diferentes mercados de atuação.

A empresa de marketing Kantar informou que a Amazon não apresenta nenhum sinal de que haverá uma desaceleração do crescimento econômico nos próximos meses. Todas essas informações foram obtidas através do estudo BrandZ que conta com a participação dos consumidores para que conclusões como essas sejam feitas. O estudo também considera os dados financeiros divulgados pelas empresas em relação a cada período analisado.